Buscar
  • Homero Ferreira

Planejamento de Atividades Outdoor - Parte 1

Já que o período é de isolamento e certo distanciamento da rotina diária, das viagens e aventuras, um bom meio de passar o tempo é estudando e planejando as atividades, trips e expedições que ainda virão.

Com o montanhismo, aprendi a gostar muito da parte de planejamento, que é fundamental para concluir com segurança e êxito qualquer atividade a que nos propomos. Esse gosto por pensar, estudar e organizar toda logística de minhas aventuras passou a fazer parte do meu dia a dia, e da forma mais positiva possível.

O planejamento de um trekking, hiking, camping, escalada e outras atividades outdoor passa por algumas etapas essenciais. Aqui tentarei abordar de modo geral essas etapas e quais os pontos mais importantes de cada uma delas.


- Etapa 1: definição do destino.


Definido o destino para a atividade, é importante pensar alguns pontos:


· Como vou chegar ao local?

A maneira de deslocamento até o local pode ser o ponto de partida dos planejamentos. Aqui é importante pensar sobre as condições de acesso (se vou de ônibus e táxi ou carro próprio, se é necessário ou não um veículo 4x4, barco, avião, etc). O trajeto a ser percorrido durante a atividade também pode influenciar nesse ponto, pois um trekking de travessia como Marins x Itaguaré, demanda uma logística de transporte diferente de uma trilha bate-volta, como a do Pico do Papagaio (Aiuruoca – MG), por exemplo.


· Quais as particularidades geográficas do lugar?

Aqui devemos analisar a fundo algumas característica da região de destino. É importante pensar no clima ao longo do ano, no relevo, tipo de vegetação. Esses fatores são importantes para as etapas posteriores, onde serão definidos os equipamentos necessários para cada atividade e como deve ser feita a preparação. Um bom exemplo pode ser a parte de vestimentas, que podem variar de necessidade em mesmo lugar a depender da estação do ano.


· Estrutura do local de atividade

Um ponto fundamental no planejamento é pensar as estruturas básicas existentes (ou não) no local da atividade. Basicamente aqui devemos pensar em estrutura para acomodação, alimentação e acesso (já apontado anteriormente). No que tange a estrutura de acomodação e alimentação, alguns lugares oferecem abrigos, campings estruturados, hostel e hotéis, restaurantes ou nada disso, demandando então que se leve alimentos e equipamentos próprios para cada atividade, como barracas, fogareiros e outros (se for o caso). Aqui também é importante começar a pensar sobre a necessidade de contratação de um guia/condutor, ponto que falaremos mais adiante.

30 visualizações

      VIVA MANTIQUEIRA

35 99763-2231 (Whatsapp e Telefone)

CNPJ e CADASTUR : 33.621.677/0001-04

 

©2019 por Homero Ferreira